jun
28
2010

O Bruxa chutava demais

Observando as informações fornecidas pelo Google Analytics, percebo que muitos internautas chegam até o Infogol buscando algo sobre Marinho Chagas. É um dos argumentos de pesquisa mais usados por nossos visitantes. Apenas neste ano foram perto de 100 pesquisas, vindas de todas as regiões do Brasil e também da Itália e de Portugal. Nada mal para um jogador que encerrou a carreira há quase 22 anos.

Marinho Chagas foi meu ídolo de infância e me fez botafoguense, já contei isso em um post anterior. Recentemente, renovei a certeza de que, mesmo criança, não fiz a opção errada.  Em uma releitura de um especial da revista Placar sobre os 12 maiores times do Brasil, vi que muita gente boa votou no craque para a eleição do Botafogo de todos os tempos. E quase todos o fizeram deslocando ninguém menos que a Enciclopédia para uma outra posição, abrindo, assim, um lugarzinho para o “Bruxa”.

“Foi tão bom (o Marinho Chagas) que, para colocá-lo no time, mandei Nilton Santos para a zaga”, explicou Carlos Augusto Montenegro. “O primeiro ídolo que tive”, confessou Gustavo Póli, hoje editor do GloboEsporte.com. Para Stepan Nercessian, Marinho é “a cara do Botafogo”. “Apesar de maluco, nunca vi um lateral como ele indo ao ataque e com um chutaço”, lembrou o mestre Roberto Porto. “Nasceu no Rio Grande do Norte, era a Bomba do Nordeste. À frente do seu tempo”, analisou Sérgio Augusto, autor de Botafogo – Entre o céu e o inferno, uma das obras definitivas que contam a história alvi-negra.

Marinho jogou pelo Botafogo entre 1972 e 1976. Segundo o historiador Pedro Varanda, na mesma revista Placar, foram 183 jogos e 39 gols. Pela Seleção Brasileira, 27 partidas e 4 gols. Na última vez que marcou com a camisa canarinho, mandou duas tijoladas contra a Colômbia, pelas Eliminatórias para a Copa da Argentina de 1978. Uma goleada de 6 a 0, em março de 1977, no Maracanã. Foi o jogo de estreia de Cláudio Coutinho como técnico do Brasil – substituindo a Oswaldo Brandão – e também a primeira partida de Marinho já como atleta do Fluminense.

Dia desses eu encontrei os gols dessa partida – que na época assisti pela televisão – no YouTube. Para quem acha que Roberto Carlos é aquele que melhor bate na bola entre os laterais-esquerdos que já passaram pela Seleção, aí estão as imagens da TV Cultura, com narração de Luiz Noriega (pai do comentarista do SporTV, Maurício Noriega). Dispensam maiores comentários e não deixam espaço para comparações. Imaginem o que faria o “Bruxa” batendo em uma jabulani…

This video was embedded using the YouTuber plugin by Roy Tanck. Adobe Flash Player is required to view the video.

Escrito por Edson.T em: Sem categoria | Tags:, ,

Nenhum Comentário

RSS feed para comentários sobre este post.

Perdão. Os comentários para essa página estão fechados.

 

Sidead

Mantido com WordPress, Conserio e Xoppla. The Buckmaker Magazine